Notícias

13 fevereiro 2017

Destroços de embarcações da II Guerra desaparecem do Mar de Java

O Ministério da Defesa holandês divulgou, através de um comunicado ao jornal The Guardian, o desaparecimento dos destroços de três navios de guerra do país, afundados durante a II Guerra Mundial no Mar de Java.

“Os destroços do HNLMS De Ruyter e do HNLMS Java parecem ter desaparecido completamente. Uma grande peça também está perdida do HNLMS Kortenaer”

O sumiço dos sítios históricos foi notado durante uma expedição realizada para marcar os 75 anos dos naufrágios das embarcações. Segundo o jornal O Globo, imagens de sonar mostram que as marcas dos destroços estão no piso oceânico, mas os navios em si desapareceram. Os restos das embarcações foram descobertos em 2002, por mergulhadores amadores.

Durante a II Guerra grande parte da área que hoje compõe o território indonésio fazia parte do Reino dos Países Baixos. Os naufrágios em questão ocorreram durante a Batalha de Java, em fevereiro de 1942, na qual as forças japonesas saíram vitoriosas contra britânicos, americanos, australianos e holandeses. Como resultado desta batalha o Império Japonês assumiu o controle das Índias Orientais Holandesas, ponto estratégico entre os oceanos Índico e Pacífico.

_92470542_2b2ef370-14de-42af-be43-ec4bb74bc6c1

HNLMS De Ruyter

A Convenção das Nações Unidas para o Direito do Mar (CNUDM) traz regras sobre a descoberta e conservação de objetos arqueológicos e históricos. O documento estabelece no seu artigo 149 que “todos os objetos de caráter arqueológico e histórico achados na Área serão conservados ou deles se disporá em benefício da humanidade em geral, tendo particularmente em conta os direitos preferenciais do Estado ou país de origem, do Estado de origem cultural ou do Estado de origem histórica e arqueológica”. Já o artigo 303 da CNUDM determina que é dever do Estado costeiro a proteção de tais bens, devendo esse aplicar suas leis e sistema legal para evitar o tráfico de tais artefatos. A Holanda já pediu explicações oficias sobre o caso.

A suspeita é de que os naufrágios holandeses tenham sido alvo de traficantes de sucata, que buscam nos destroços de navios dos mares do Sudeste Asiático peças de aço, alumínio e latão. Estima-se que mais de cem embarcações encontram-se no fundo das águas que banham Indonésia, Malásia e Cingapura.

A imprensa malaia relatou que os destroços dos navios holandeses foram, por diversas oportunidades, danificados intencionalmente por indivíduos que, se passando por pescadores, utilizavam explosivos para roubar os metais das embarcações.

Os navios eram consideradas cemitérios de guerra, estima-se que cerca de 2200 pessoas morreram nos naufrágios no Mar de Java, dentre holandeses e indonésios de origem holandesa. Ainda segundo o The Guardian, a Marinha Americana divulgou em 2015 que um naufrágio americano na região, o USS Houston, também sofreu uma “perturbação não autorizada do túmulo”.